Insatisfação

Porque às vezes estamos super bem, mas ainda falta alguma coisa? Porque estamos sempre buscando novos padrões, mais dinheiro, mais bens, mais sucesso, mais contatos, mais e mais e mais…. Somos sim eternamente insatisfeitos?

Acho que o descontentamento nos faz progredir, ir sempre em busca do melhor para nós mesmos, ativa a ambição, ajuda a contruir a carreira,  nos torna mais dedicados e ajuda a ter foco; torna o relapso em perfeccionista; ajuda a lapidar e polir.  Ao mesmo tempo, o fato da não-satisfação nos deixa desapontado, desesperançoso e desanimado, e isso é uma droga!

E quando esse descontentamento virtuoso e motivador vira o pecado da ganância? Quando as nossas vontades e anseios não tem fim! E esse ‘mais e mais e mais’ não é a procura do perfeccionista pela própria evolução, mas sim a busca desenfreada pela satisfação imediata, considerada mais importante para ser conquistada que as possíveis consequências que nossos atos possam acarretar, chegando ao ponto de corromper nossos próprios valores por uma mera atitude egoísta.

E como já disse Dalai Lhama: “O perigo constante é abrir a porta para a ganância, um de nossos inimigos mais incansáveis.”  Daí é uma luta exaustiva para tirar a semente da avareza dos nossos pensamentos. Na verdade, o errado é nada querer, pouco almejar ou simplesmente acomodar. O correto é plantar idéias promissoras incorrompíveis às tentações mundanas, e tentar segurar a ansiedade disso tudo! Difícil?

Anúncios

Saber falar e ficar quieto

Conversar. Todos precisam ou devem conversar para esclarecer, explicar, desculpar-se ou somente desabafar. Mas porque isso é tão difícil? Porque não temos tempo, pura preguiça, ou ainda a mais cruel de todas: porque não queremos… Talvez a verdade seja dura a ser dita ou cruel a ser ouvida ou ambos. Mas o que é a verdade a ser dita? É o que o eloquente pensa e a forma como ele transmite ou é um simples relato de fato isolado? Invariavelmente a verdade é o resultado da dedução de cada um perante os acontecimentos. A priori isso não significa que um evento tem duas verdades, mas sim dois argumentos e um milhão de interpretações. Então, o acaso é verdadeiro e seu significado pode não ser, assim como a razão ao fato é sincera e a recíproca pode não ser.

Devemos ser honestos com nós mesmos e procurar o real significado das nossas atitudes. Falar da maneira mais clara possível, mesmo sabendo que cada ouvido entenderá da maneira que bem acha conveniente. Por essas e outras, a parte mais importante de cada história repassada é a intensão a qual ela é contada, fora toda a parte emocional que a acompanha. E quando não sabemos a magnitude dessa suposta verdade, o silêncio é a nossa melhor arma!

Fiquemos quietos!