Insatisfação

Porque às vezes estamos super bem, mas ainda falta alguma coisa? Porque estamos sempre buscando novos padrões, mais dinheiro, mais bens, mais sucesso, mais contatos, mais e mais e mais…. Somos sim eternamente insatisfeitos?

Acho que o descontentamento nos faz progredir, ir sempre em busca do melhor para nós mesmos, ativa a ambição, ajuda a contruir a carreira,  nos torna mais dedicados e ajuda a ter foco; torna o relapso em perfeccionista; ajuda a lapidar e polir.  Ao mesmo tempo, o fato da não-satisfação nos deixa desapontado, desesperançoso e desanimado, e isso é uma droga!

E quando esse descontentamento virtuoso e motivador vira o pecado da ganância? Quando as nossas vontades e anseios não tem fim! E esse ‘mais e mais e mais’ não é a procura do perfeccionista pela própria evolução, mas sim a busca desenfreada pela satisfação imediata, considerada mais importante para ser conquistada que as possíveis consequências que nossos atos possam acarretar, chegando ao ponto de corromper nossos próprios valores por uma mera atitude egoísta.

E como já disse Dalai Lhama: “O perigo constante é abrir a porta para a ganância, um de nossos inimigos mais incansáveis.”  Daí é uma luta exaustiva para tirar a semente da avareza dos nossos pensamentos. Na verdade, o errado é nada querer, pouco almejar ou simplesmente acomodar. O correto é plantar idéias promissoras incorrompíveis às tentações mundanas, e tentar segurar a ansiedade disso tudo! Difícil?

Anúncios

Eu falo, e você entende?

Quantas vezes eu falo e o ouvinte não entende? Não entende porque eu falei enrolado, ou porque falei com um entonação subjetiva, ou ainda porque eu nem quis ser tão eloquente,  ou ainda porque qualquer um entende do jeito que quer? E quem tá errado? O coitado que ficou me ouvindo e não entendeu nada ou eu que não me expressei direito?

E quem disse que eu devo ser expressiva em tudo que eu falo? Talvez nunca serei tão clara para outra pessoa, senão para eu mesma, e devo reforçar que qualquer advogado concordaria comigo. Todas as frases proferidas tem tantas interpretações quanto pessoas estiverem presentes, e fica ainda mais amplo quando estas frases são repassadas a outras pessoas e assim por diante.

Talvez por isso tantas pessoas divagam idéias que muitas vezes não são compreendidas, ou são compreendidas de muitas formas, com inclinações distintas.. Mas enfim, quem está errado? Ninguém.. E porque será que tantas pessoas discutem isso?

Afinal, cada um tem sua característica própria, sua maneira única de compreenção e execução. Deixe-me interpretar do meu jeito, sim!!???!!!! É meu mesmo…

Tirar o pó

Essa semana iniciou parecendo uma ressaca de maremoto, cheia de coisas destruídas e outras tantas a refazer. Fico organizando tudo para todo mundo e não consigo organizar nada meu. Quando chego no meu quarto e olho para ele, só penso em deixar para arrumar depois. Talvez eu estivesse evitando começar o ano de verdade, pois sem desvincular de algumas coisas, tirar o peso extra, não movemos pra frente mais rápido. Estranho. Fiquei pensando nisso e percebi que eu precisava mesmo era ficar sozinha. Tomei um banho como se fosse o último e liguei o som: Pink Floyd. Guardei o tênis e olhei bem para meu quarto – uma zona a qual não estou acostumada; sentei a beira da cama e firmei em um pensamento: preciso tirar o pó, não só no sentido de passar um espanador, mas sim de realmente jogar fora aquilo que está acumulando pó, pois com certeza não serve para mais nada. É muito boa a sensação de desapego. Às vezes a gente não quer jogar algo fora, por exemplo uma roupa, uma foto ou algum cacareco, porque este teve uma história ou adorava usar ou ainda por achar que algum dia serviria para alguma coisa e tal, daí fica lá no cantinho dele. Nem usa mais, mas a presença dele ali por algum motivo te conforta, te lembra algum momento importante ou talvez demos alguma mini-importância a ele e por qualquer outro motivo, sempre que doamos ou nos livramos de algumas coisas, este não vai. Até que um dia, você olha para a peça e pensa: O que esta coisa esta fazendo aqui ainda??? OMFG. Então o item vai embora. E quando você for fazer de novo essa arrumação, ele não vai mais estar lá e muitas vezes, você nem vai lembrar que ele existiu!!! Por que de vez em quando a gente se prende a algo que não serve pra nada? É tão bom desencanar. Dá uma paz. Viva o desapego das inutilidades!!!!